AL Seguros

Economia portuguesa está menos competitiva

Portugal está menos competitivo do que no ano anterior. A conclusão é do ranking de competitividade do IMD World Competitiveness Center, com base em dados recolhidos pela Porto Business School, que revela que o país ocupa, agora, o 39.º lugar entre os 63 países que foram analisados. Portugal está, assim, longe do meio da tabela e ainda mais longe do pódio dos países mais competitivos, ocupado por Singapura, Hong Kong e Estados Unidos da América (EUA).

Face ao ano passado — altura em que o país ocupava o 33.º lugar deste ranking — Portugal desceu seis posições, regressando à posição que obteve em 2016 e, também, em 2017. Fora a avaliação genérica, e olhando para as classificações por categorias, há áreas em que o país consegue “brilhar” um pouco.

A melhor classificação portuguesa diz respeito à categoria de legislação empresarial, na qual o país consegue a 19.ª posição. Segue-se a categoria de infraestruturas, mais propriamente a área da saúde e ambiente, na qual Portugal é o 21.º país mais competitivo. No comércio externo, um dos indicadores que compõem a categoria de performance económica, o país ocupa a 26.ª posição.

Interessa destacar que, apesar de estas terem sido as categorias em que o país ficou melhor classificado, não houve uma melhoria face a 2018, antes pelo contrário. No ano passado, Portugal era o 16.º país mais competitivo no que toca a legislação empresarial e o 18.º mais competitivo no que diz respeito a saúde e ambiente (descendo três posições em cada um delas).

Entre os principais desafios que a economia portuguesa enfrenta estão, segundo o ranking, a redução estrutural do défice público, “de forma a atingir um excedente permanente e a reduzir a dívida pública no longo prazo”.

“Atingir um crescimento significativo num contexto internacional de restrição e constrangimentos é outro dos grandes objetivos, a par de uma estratégia nacional de transformação digital que se torne uma referência intersetorial de inovação e empreendedorismo para a economia portuguesa”, aponta a IMD — que, em Portugal, conta com a parceria da Porto Business School — em comunicado.


Portugal é dos mais competitivos para produzir energia solar

Entre as prioridades está, também, a eficiência do sistema burocrático e a aposta na formação na área das ciências, tecnologias, engenharias e matemáticas (STEM), “no sentido de desenvolver nas novas gerações competências e responsabilidade para abraçar as novas tecnologias emergentes”. Para atingir estes objetivos, o IMD diz que é necessária a “cooperação permanente de diferentes forças políticas”.

No pódio dos países mais competitivo houve uma troca de cadeiras. Singapura tem o título de país mais competitivo, ocupando o lugar dos EUA, que este ano passaram para 3.º lugar. No segundo lugar do pódio não houve mudanças. Mais uma vez, Hong Kong continua como a segunda região mais competitiva do ranking do IMD.

Eco, 28/05/2019