AL Seguros

Acordo de livre comércio em África pode aumentar trocas em 52 por cento

O encontro realizou-se na cidade que vai acolher, de 11 a 17 de dezembro, a primeira grande reunião dedicada ao comércio livre em África, e que é organizada pelo Banco de Exportações e Importações Africano (Afreximbank) em colaboração com a União Africana, com o objetivo de aprofundar os laços comerciais entre os países deste continente.

O presidente do Afreximbank, Benedict Oramah, disse que muitos empresários africanos não estão cientes que muitos dos produtos que compram a países estrangeiros nos Estados Unidos ou na Europa são produzidos em África, e que seria mais barato comprar diretamente aos vizinhos regionais.

A Conferência do Cairo foi a primeira de uma série de encontros destinados a promover a IATF2018, estando previstas várias conferências semelhantes na África do Sul, Nigéria, Quénia e Costa do Marfim.

A 21 de março, na cimeira extraordinária da UA, que decorreu em Kigali, capital do Ruanda, 44 dos 54 Estados-membros da organização pan-africana aprovaram o acordo que prevê lançar o tratado de criação da ZLEC.

A criação desta região económica, que visa fortalecer os fragmentados mercados africanos e a presença, a uma só voz, na cena internacional nas negociações com outros blocos, vai permitir apoiar o desenvolvimento de um continente com cerca de 1.200 milhões de habitantes.

Apesar de assinado, desconhece-se quando entrará em vigor, sendo que o passo seguinte é a ratificação interna dos Estados signatários. Serão necessárias pelo menos 22 ratificações para que o acordo entre em vigor.

A ZLEC permitirá criar o maior mercado do mundo, uma vez que envolverá os 55 Estados-membros da UA, com um Produto Interno Bruto (PIB) acumulado a ascender a 2,5 biliões de dólares, cerca de 2 biliões de euros.

O Comissário da UA para o Comércio e Indústria, Albert Muchanga, defendeu que a indústria e a classe média do continente vão beneficiar com a eliminação progressiva dos direitos alfandegários entre os membros da ZLEC, tendo em conta que apenas 16% do comércio dos países africanos é feito no continente.

A ZLEC inscreve-se no quadro de um processo que, até 2028, prevê a constituição de um mercado comum e de uma união económica e monetária de África, razão pela qual também está em curso a implementação do Passaporte Único Africano, tudo incluído na chamada Agenda 2063, que visa desenvolver económica, financeira e socialmente o continente até àquele ano.

Notícias ao Minuto, 07/06/2018