AL Seguros

Reino Unido espera Brexit sem impacto comercial com África Austral

Há um trabalho técnico a realizar para rever os textos dos acordos, por exemplo, substituindo as referências à UE, e num segundo momento haverá negociações com os países parceiros para tentar alcançar novos acordos.

"Agora é só uma questão técnica, para garantir legalmente a continuidade do comércio", detalhou, numa declaração aos jornalistas no aeroporto internacional de Maputo.

"No momento de saída vamos continuar com as mesmas preferências que temos. Depois podemos até querer fazer mais do que fazemos hoje, mas isso é outro momento de negociação", referiu.

A indústria açucareira de Moçambique anunciou na última semana recear que, depois do 'Brexit', o Reino Unido, seu principal cliente, renegoceie a compra de açúcar com outras origens, incluindo a própria Europa.

Liam Fox disse que não haverá mudanças, mas admitiu que o Reino Unido possa querer encorajar o investimento para acrescentar valor à matéria-prima antes que deixe Moçambique - algo que, segundo referiu, é mais taxado pela UE, que prefere mercadorias no estado puro.

"Queremos encorajar investimento para acrescentar valor" antes que a matéria-prima "deixe Moçambique", o que acarreta também uma maior qualificação da mão-de-obra moçambicana, referiu.

Sobre as conversações de paz em curso entre Governo moçambicano e a Renamo, maior partido da oposição, o político britânico chama a atenção para a necessidade de só haver paz com distribuição de riqueza pela população.

"Sabemos pela experiência da Irlanda do Norte que não basta ter as políticas e segurança alinhadas. Também é preciso que haja prosperidade", o que, no caso, se conseguiu, captando investimento, referiu.

"O meu encontro com o Presidente da República [moçambicano] foi longo e ele entendeu claramente que os desenvolvimentos políticos, de segurança e da economia estão todos interligados e não nos podemos focar num sem os outros", disse.

"O que acontece no espaço político tem mais a ver com os partidos, mas nós podemos ajudar na área económica", sublinhou.

Liam Fox expressou interesse em ter mais empresas do país a investir em Moçambique, realçando a capacidade das autoridades britânicas em apoiarem projetos externos, nomeadamente se entidades do país tiverem um envolvimento mínimo de 20%.

Para que Moçambique atraia investidores, Liam Fox considerou importante haver estabilidade macroeconómica, regulação e garantias legais.

O dirigente deixou ainda um desafio às autoridades moçambicanas: que indiquem quais os projetos específicos que gostariam de ver dinamizados pelo Reino Unido.

Notícias ao Minuto, 20/09/2017