AL Seguros

15 previsões acertadas que Bill Gates fez em 1999

1. Sites de comparação de preços: Bill Gates previa que, no futuro, as pessoas poderiam comparar preços de produtos em sites que comparavam em toda a internet, tornando fáceis os esforços para fazer compras mais baratas.

2. Pequenos dispositivos móveis: O fundador da Microsoft previu que "as pessoas levarão consigo pequenos dispositivos que permitirão que estejam constantemente em contacto e façam negócios onde quer que estejam. Poderão ler as notícias, verificar voos agendados, aceder a informações sobre mercados financeiros e fazer basicamente tudo nesses dispositivos".

3. Pagamento instantâneo online: "As pessoas poderão pagar as contas, tratar das finanças pessoais e conversar com os seus médicos utilizando a internet", previu Gates.

4. Assistente pessoal eletrónico: "Vão ser criados companheiros pessoais. Eles estarão conectados e sincronizados de forma inteligente com todos os seus dispositivos, permitindo que troquem dados. O dispositivo irá verificar os seus emails e apresentar as informações de que precisa. Quando estiver numa loja, poderá dizer-lhe que receitas pretende preparar e ele irá gerar uma lista de ingredientes a comprar. Irá informar todos os seus dispositivos sobre as suas compras e horários, permitindo que eles se ajustem automaticamente ao que está a fazer", adivinhou Bill Gates.

5. Vigilância doméstica: O homem mais rico do Mundo previu, em 1999, que seríamos capazes de vigiar constantemente o que se passa em casa através de vídeos que nos avisam quando alguém nos visita e não estamos para recebê-los.

6. Redes Sociais: "Serão comuns sites privados onde poderá reunir amigos e familiares e permitir que conversem e planeiem eventos", previu Gates.

7. Promoções personalizadas: "[Existirá] software que sabe quando reservou uma viagem e que usa essa informação para sugerir atividades no destino. Sugere atividades, descontos, ofertas e preços mais baixos para as coisas que quer fazer", imaginou o fundador da Microsoft.

8. Sites para debater desporto ao vivo: "Haverá serviços que permitirão que, enquanto assiste a uma competição desportiva na televisão, possa discutir o que está a passar-se ao vivo e fazer apostas sobre quem acha que sairá vencedor". Fotografia: Pedro Rocha / Global Imagens"Haverá serviços que permitirão que, enquanto assiste a uma competição desportiva na televisão, possa discutir o que está a passar-se ao vivo e fazer apostas sobre quem acha que sairá vencedor".

9. Publicidade inteligente: Bill Gates previu, em 1999, ainda a Google estava para se afirmar (e nem tinha os anúncios "inteligentes" de hoje), que "os dispositivos terão publicidade inteligente: saberão as suas tendências de consumo e mostrarão anúncios desenhados de acordo com as suas preferências".

10. Links durante emissões de TV ao vivo: "A transmissão televisiva incluirá links para sites relevantes e coonteúdo complementar ao que estiver a ver", antecipou Bill Gates.

11. Discussões online: "Os cidadãos de cidades e países diferentes poderão discutir através da internet problemas que as afetam, como política local, planeamento urbano e segurança", declarou Gates, em 1999.

12. Sites baseados em interesses: Mais do que a geografia, serão os interesses a ditar a organização de comunidades online, previu Bill Gates.

13. Software de gestão e planeamento: "Os responsáveis de projeto que precisem de reunir uma equipa poderão descrever o projeto online e receber recomendações de pessoas disponíveis que cumpram os requisitos".

14. Recrutamento online: Em 1999, Bill Gates previa que, no futuro, as pessoas poderiam encontrar "oportunidades de emprego online ao declarar os seus interesses, necessidades e capacidades especializadas".

15. Software comunitário de negócios: Bill Gates previu que as empresas não teriam de dispor de fornecedores de todos os serviços, pois poderiam utilizar plataformas comunitárias para angariar pessoal especializado para todo o tipo de tarefas, desde a construção a uma campanha de publicidade. "Tal será eficiente quer para as grandes empresas que querem contratar fora trabalho que normalmente não efetuam, quer para negócios que procuram novos clientes", explicava Gates.

Dinheiro Vivo, 05/07/2017